A luz solar pode alimentar micro-aeronaves voando acima da estratosfera

Imagem padrão do novo cientista

O ônibus espacial Endeavour em 2010. A camada laranja é a troposfera. A camada esbranquiçada acima é a estratosfera e acima dela está a mesosfera

NASA / Tripulação da Expedição 22

A luz solar pode ser usada para alimentar microfliers que viajam acima da estratosfera na mesosfera.

Atualmente, os únicos veículos que podem viajar nesta camada de nossa atmosfera, a uma altitude entre 50 e 80 quilômetros, são os foguetes destinados ao espaço. Aviões e outras aeronaves modernas não podem voar acima de 50 quilômetros porque a densidade do ar mais baixa nessas altitudes não permite sustentação suficiente.

Propaganda

Por outro lado, o ar na mesosfera é muito denso para a passagem segura dos satélites e pode danificá-los, por isso também está fora dos limites para eles.

Igor Bargatin, da Universidade da Pensilvânia, e seus colegas criaram um dispositivo que pode potencialmente realizar viagens sustentadas pela mesosfera.

“O que estamos vendo é um novo mecanismo de levitação que foi usado no passado para partículas realmente pequenas, aquelas que você não pode ver”, diz Bargatin. “Mas o que estamos fazendo é fazer funcionar para estruturas que são grandes o suficiente para que você possa segurá-las em suas mãos e, portanto, pelo menos potencialmente, terão aplicações na vida real.”

A técnica explora o fenômeno da fotoforese, que depende da transferência de energia solar – inicialmente para um objeto, como o novo dispositivo, e depois para as moléculas de ar ao redor do objeto.

“Quando você expõe [the device] à luz do sol, as moléculas que atingem as superfícies vão absorver parte do calor ”, diz Bargatin. “Nós projetamos o [device] superfícies de tal forma que a superfície superior não é muito boa para transferir calor, enquanto a superfície inferior é muito boa para transferir calor e, como resultado, mais moléculas ganharão velocidade descendente do que velocidade ascendente. ”

Isso cria uma força de sustentação, ele acrescenta, o que significa que quando os microfliers foram expostos à intensidade da luz incidente de cerca de 0,5 Watts por centímetro quadrado a pressões de ar de cerca de 10 Pascais, eles se moveram pelo ar.

A equipe acredita que, no futuro, versões das microfliers equipadas com sensores poderão ser usadas para mapear o vento e as temperaturas na mesosfera, o que pode melhorar os modelos climáticos.

“Em geral, não está claro quantos aspectos práticos dessa tecnologia funcionariam, como entregar os microfliers a esta parte da atmosfera, que presumivelmente precisaria ser lançada dos foguetes”, diz Karen Aplin, da Universidade de Bristol, no Reino Unido . “No momento, essa tecnologia parece um pouco uma solução em busca de um problema.”

“Devo dizer que toda vez que um novo mecanismo de voo é implementado ou descoberto, as pessoas encontram novas aplicações que são difíceis de imaginar desde o início”, diz Bargatin.


Source: New Scientist – Home by www.newscientist.com.

*The article has been translated based on the content of New Scientist – Home by www.newscientist.com. If there is any problem regarding the content, copyright, please leave a report below the article. We will try to process as quickly as possible to protect the rights of the author. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content of the author and always include the original link of the source article.If the author disagrees, just leave the report below the article, the article will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!