Após o investimento da Daimler – projeto europeu de bateria cresce para 120 GWh


A Daimler está investindo até SEK 10 bilhões no projeto de bateria ACC. A mudança reforça a tendência atual da indústria automotiva, onde cada vez mais empresas estão ganhando controle sobre a produção de células.

Na sexta-feira, a Daimler, fabricante da Mercedes-Benz, anunciou que a empresa entraria como terceira proprietária na Automotive Cells Company (ACC). Com o tempo, o investimento total poderá chegar a um bilhão de euros, o que corresponde a dez bilhões de coroas.

ACC é uma joint venture para a produção de células de bateria originalmente formada pelo grupo de veículos Stellantis (Peugeot, Citroen, Opel, Fiat e Chrysler) e a petrolífera francesa Total Energies (que também possui a fabricante de baterias Saft com produção na Suécia).

O plano até agora é de duas fábricas com um total de 48 GWh de capacidade anual de armazenamento de energia, uma em Douvrin, na França, e uma em Kaiserslautern, na Alemanha. A fábrica francesa deve estar instalada e funcionando em 2023, de acordo com Notícias automotivas.

Duplique na direção de Northvolt

O investimento da Daimler significa que a produção anual total da ACC aumentará significativamente, para pelo menos 120 GWh até 2030. Isso é duas vezes mais células de bateria do que a sueca Northvolt planeja fabricar anualmente em Skellefteå.

– A nova colaboração significa que podemos garantir o acesso, obter economias de escala e fornecer aos nossos clientes tecnologia de bateria superior, afirma o CEO sueco da Daimler e da Mercedes-Benz, Ola Källenius, em um comunicado.

As entregas para a Daimler começarão em meados da década de 2020 e também incluem baterias de íon-lítio, onde o ânodo tem uma alta proporção de silício e baterias com eletrólito de estado sólido (estado sólido em inglês).

A Daimler junta-se assim ao crescente grupo de fabricantes de automóveis que não se contentam em comprar células de bateria de fabricantes de células puras, mas também investem pesadamente na sua própria produção. O fenômeno geralmente é denominado integração vertical.

Volvo + Northvolt

Neste verão, por exemplo, a Volvo Cars também mudou de posição no assunto, pois a empresa criou uma joint venture com a Northvolt para uma fábrica de células de 50 GWh.

No entanto, o investimento em ACC não é a primeira produção atual de células da Daimler. A empresa já possui 3% da fabricante chinesa de celulares Farasis. Até 2015, a empresa também fabricava células próprias por meio da subsidiária Li-Tec, investimento que foi descontinuado devido a custos excessivos.

“Apenas elétrico”

Em julho, a Daimler mudou a estratégia de “Electric first” para “Apenas elétrico”, O que significa que a empresa deve estar pronta para vender apenas carros elétricos a partir de 2030, conforme o mercado permitir.

A estratégia inclui oito fábricas de baterias com capacidade total de 200 GWh.


Source: Nyteknik – Senaste nytt by www.nyteknik.se.

*The article has been translated based on the content of Nyteknik – Senaste nytt by www.nyteknik.se. If there is any problem regarding the content, copyright, please leave a report below the article. We will try to process as quickly as possible to protect the rights of the author. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content of the author and always include the original link of the source article.If the author disagrees, just leave the report below the article, the article will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!