Com a ajuda de 40 inspectores fiscais e 50 polícias, as autoridades portuguesas procederam hoje a cerca de vinte investigações nas instalações de clubes, empresas com as quais cooperam e escritórios de advogados, informou o Ministério Público português.

É “uma suspeita de celebração de acordos entre clubes e agentes de futebol, com o objetivo de ocultar receitas ao fisco”, acrescentou o Ministério Público.

Os montantes das fraudes estão estimados em cerca de 15 milhões de euros e referem-se a jogadores de futebol profissionais. Os nomes não foram divulgados. Segundo a imprensa portuguesa, as irregularidades são atribuídas principalmente a Braga e Vitória de Guimarães, e os clubes não responderam às perguntas dos jornalistas.

As investigações resultam da análise dos dados apreendidos em março de 2020 durante a “operação de impedimento”, investigação que desde 2015 trata da evasão fiscal.

Na segunda-feira, por exemplo, foi efectuada uma operação às instalações do clube de futebol do Porto por suspeita de evasão fiscal, que inclui o pagamento de comissões por transferência de jogadores num montante superior a 20 milhões de euros.