Portugal – Viaje com uma magnífica carta de vinhos – Portugal

Conheci Portugal pela primeira vez há três anos.
É como sentar-se para tomar um café com uma artista que você sempre apreciou – o encontro pessoal e físico com o país me fez entender melhor os vinhos que ele produz. No final daquela viagem, ficou claro para mim que não apenas ela e eu nos encontraríamos novamente – no próximo encontro eu viria com um clã.
Outra (última e promissora) analogia com o mundo dos encontros pessoais – Portugal é um país para levar para casa aos pais.
As vistas são deslumbrantes, as pessoas são modestas e convidativas e os vinhos são complexos e variados.

O que mais eu gosto nela? Que você não tem que trabalhar duro. Quer tenha voado directamente para o Porto, no norte, ou para Lisboa, no centro – centenas de adegas estão a uma curta distância de si, a qualquer momento. Como quem se cansa de viagens longas, isso para mim é uma vantagem importante.

Quando se viaja pelas diferentes regiões de Portugal pode sentir que estamos a viajar na carta de vinhos de um restaurante: uma área é especializada em espumantes e aromáticos, a outra em grandes vinhos tintos e esta é a vizinha – um dos vinhos de sobremesa mais conceituados da o mundo.
Com toda essa bondade, é muito fácil se perder – então reuni para você alguns dos meus pontos de passagem favoritos. Venho a estes locais (e a muitos outros) no âmbito dos roteiros vinícolas que oriento em colaboração com a Vinspiration, empresa especializada em roteiros vínicos e gastronómicos.

A caminho da vinícola, parada em Sinatra

Cerca de meia hora a norte de Lisboa, numa floresta com uma vista espectacular, fica a vila de Sinatra com um palácio colorido e impressionante – embora seja muito turístico, mas vale a pena a visita. Fora da vila, fica o Convento dos Capuchos: o mosteiro não está ativo hoje, mas você pode passear entre os pequenos quartos, cobertos com casca de carvalho, por um momento parece que ali viviam anões. Mais adiante, a cerca de uma hora de carro a norte, fica a Nazaré, conhecida como uma cidade do surf que acolhe um dos maiores e mais impressionantes festivais de surf em cada inverno, graças às ondas mais altas do mundo. A paisagem aqui é incrível em sua intensidade.

Bairada

A região vinícola a norte de Lisboa é ainda considerada “sob o radar” dos clássicos viajantes do vinho. A Bairada produz principalmente vinhos espumantes e tintos impressionantes da variedade de uva local, chamada Baga. A minha adega preferida na zona é a Quinta das Bágeiras, enóloga. A vinícola é a quinta geração de uma família de enólogos que se dedica à produção de espumantes pelo método clássico. É bom passear pelas salas da adega e ver garrafas antigas espalhadas, cheias de poeira e história, e se perguntar quando elas serão abertas e qual será o seu sabor. A vinícola não possui prensa para espremer as uvas – ao invés, durante a vindima, os familiares recolhem e pisam as uvas a pé em antigos recipientes de concreto. O resto dos membros da família que não pisam, não enterram a mão no barril – mas encorajam ou tocam os passos vigorosos.

Vinho Verde

Uma região vinícola do noroeste do país, caracterizada por vinhos brancos frescos, com um aroma delicado e interessante.
Uma das adegas recomendadas na zona é a adega biológica Quinta de Covela – alojada num casarão antigo e espaçoso, em declive com árvores de fruto, canteiros de flores e um ribeiro límpido que o corta ao meio. Este é um verdadeiro pedaço do paraíso – a não perder.

Douro e Porto

O Vale do Douro, no norte de Portugal, é um destino maravilhoso para os amantes da natureza e do vinho.
O vale oferece uma viagem entre montanhas verdes e colinas poderosas, que são um solo fértil para o cultivo de uvas para vinho usadas para fazer o famoso vinho do Porto – vinho de sobremesa fortificado (cerca de 20% de álcool) e vinhos tintos excepcionalmente secos.
O rio Douro, com cerca de 900 km de extensão, é um espetáculo à parte. Os barcos Ravello podem ser usados ​​no rio
Que antigamente se destinavam ao transporte de barricas de vinho, até à “zona industrial” do Porto, Villa Nova de Gaia –
Nele, os vinhos passaram pelo processo de envelhecimento, engarrafamento e distribuição para o resto do mundo. Com o tempo, Villa Nova de Gaia se tornou um local de peregrinação para os fãs do gênero, e abundam em pequenas e grandes vinícolas – onde você pode saborear uma variedade de ótimos tipos de fortes. No Porto, recomendo passar pelo menos dois dias (mesmo duas semanas é bom):
A cidade está cheia de joias, pequenos bares de vinho e impressionantes edifícios arquitetônicos pavimentados com azoles (veremos você dizer isso 3 vezes seguidas) – azulejos tradicionais decorados com padrões espetaculares e cores coloridas. Na estação ferroviária do Porto ficará impressionado com a variedade de histórias da história da cidade pintadas nos azulejos.

Dao

Ao sul de Dauro fica o Dao, uma das regiões vinícolas mais antigas, onde os vinhos clássicos serão tintos complexos. É um local maravilhoso para conhecer em profundidade as mais conhecidas e conceituadas castas locais Toriga Nacional e Tinta Roriz. A Dow está em um momento fascinante, onde os jovens estão pegando tradições antigas, preservando-as e explorando-as com as ferramentas de hoje.

Alentejo

A maior região vinícola de Portugal, que controla cerca de um terço da parte sul do país. O clima no Alentejo é mais quente e seco do que no norte, onde vai encontrar vinhos brancos e tintos, fortes e apimentados, de carácter mais ligeiro das regiões do norte de Portugal e adequados para a refeição local.
Na pitoresca vila de Évora existe um centro de visitantes para os vinhos da região – onde pode ver os tipos de solo, provar os vinhos e ouvir histórias sobre a singularidade da região.

Como enólogo e guia turístico de vinhos e culinárias, acredito que a viagem que mais impressiona é aquela vivida com todos os sentidos: ao saborear a cultura e a história, cheirar o clima e a terra e sentir a generosidade do habitantes locais. Um lugar onde é costume lançar taças de vinho vitalícias várias vezes ao dia – é o lugar certo para estar. !Saúde

Para vinhos e passeios gastronômicos

——-
Roni SaslovEnólogo, enólogo, repórter e crítico de vinhos, juiz de concursos e palestrante em Israel e no mundo. Roni assessora e acompanha as vinícolas que estão entrando no setor e as que estão lá na área de marketing e negócios.


Source: כתבות – מסע אחר by www.masa.co.il.

*The article has been translated based on the content of כתבות – מסע אחר by www.masa.co.il. If there is any problem regarding the content, copyright, please leave a report below the article. We will try to process as quickly as possible to protect the rights of the author. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content of the author and always include the original link of the source article.If the author disagrees, just leave the report below the article, the article will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!